livros usados
compra  contos   downloads  links  livro virtual  livros   livros  livros   livros  livros   livros  livros   livros  livros   livros vinil  vinil  vinil  vinil vinil  vinil
Cursos
Genealogia
Informática
Petróleo
Teatro
GENEALOGIA
Árvores Genealógicas
Pesquise sua árvore genealógica no índice abaixo. Se não tiver: clique e Inclua sua Família ou atualize seus dados. É gratuito!
Você pode também  incluir um link para acesso à página de sua família.

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Clique para ler on-line:

Cipó Titica

A Bola de fogo

Missão na Terra

LIVRO VIRTUAL- A VIAGEM

LIVROS VIRTUAIS
A reciclagem da cultura
 A Viagem é a história de uma caminhada por alguns paises da América Latina na decada de 70 e o retorno pelo rio Solimões na Amazonia, com seus prazeres, perigos, encontros e desencontros e a paisagem maravilhosa.

Para ler todo o conteudo numa só página, clique aqui
APOSTILAS VIA E-MAIL  
Apenas R$ 10,00 , você compra uma e ganha outra inteiramente grátis. Clique no link de pagamento abaixo e aproveite a promoção
Apicultura(abelha e mel)
Aves domésticas
Avestruz
Codornas
Compostagem
Hidroponia (técnicas)
Horta orgânica
Incubadora (projetos)
Pavão e Faisão
Ranicultura (rãs)
Viticultura(Uvas)
Astrologia  
Mágicas
Numerologia
Radiestesia
Radiestesia gráficos
Radiestesia prática
 Administração Crise Financeira
Administração Financeira
Bolsa de Valores  
Contabilidade de Custos
Contabilidade Geral
Depto Pessoal
Leitura Dinamica
Liderança
Marketing de Rede
Marketing Pessoal
Matematica
MemorizaçãoOratória
Relações Humanas 
Secretariado
Telemarketing
Vendas         
Fabricação de Licores
Fabricação de ovos de Páscoa 
Fabricação de Queijos
Fabricação produtos de limpeza
Fogão a Lenha (projetos)
Futebol
Pedras preciosas e joalheria
Sabonetes Artesanais
VelasArtesanais
Receitas da Vovó Julita
Receitas de doces e Compotas Receitas de drinks e bebidinhas
Receitas de Sanduiches e Sucos
Receitas Dietéticas
Receitas variadas
Access XP  
CorelDraw
Dreamweaver
Excel XP 
Flash
Informática básica
Internet básica
Lógica
Linux
Montagem Computadores
Pagemaker
Photoshop
Powerpoint XP 
Windows XP
Word XP
Alemão
Arabe
Chinês-Mandarim
Espanhol
Francês
Grego
Hebraico
Holandês
Inglês
Italiano
Japonês
Latim 
Russo
Custom Search
U M A  V I A G E M
by   Nelson Geromel
O retorno

Já era noite, eu (estava) sentado naquele banco de madeira dura da Imigração Costarriquenha. Estava duro com apenas uma troca de roupa numa mochila de nylon (knapsac); o resto tinha ficado no hotel em Manágua. Para conseguir visto de turista na Costa Rica eu precisaria de dois dólares, que não tinha. Naquele instante eu achava o maior absurdo as fronteiras, as alfândegas e principalmente a cobrança de dois dólares por visto de entrada.  Resolvi batalhar o dinheiro do outro lado da alfândega, por onde as pessoas estavam saindo do país. Minha inibição é que me matava.  Ficava ensaiando o ataque, o turista acabava indo embora e eu ficava esperando.  Tomei coragem e aproximei-me de um casal de velhos; pareciam americanos.

“Perdon pero o señor puede dar-me dois dólares para la visa” tentei, e o velho me disse um não antes que acabasse de falar.  Isso me desmoronou, me brochou pelo menos por uma hora.  Aprendi, no entanto, que quando não estou a fim de atender alguém, digo não antes que a pessoa termine de falar. Quase não falha.  Deviam ser mais ou menos 23 horas quando parou uma caminhonete rebocando uma moto de competição. Desceu um rapaz, e eu não pensei duas vezes, ataquei o cara:

“ Olá, soy brasileño y necesito  de  2 dólares para la visa, usted puede conseguir.”

Si, si.- O cara me deu os dois dólares sem pestanejar, como se estivesse sendo assaltado. Ai eu relaxei e perguntei se ele era corredor. Ele respondeu-me que sim, que participava de competições internacionais de motociclismo e que conhecia muito um conterrâneo meu, Adu Celso. Confesso que, naquela época, eu não me interessava muito por motociclismo, mas, para ser cordial com o cara que tinha conseguido o meu visto, resolvi inventar.  Disse que conhecia muito bem o Adu, apesar de não o ver já ha algum tempo, pois estava viajando pelo mundo, e o cara ficou maravilhado.  Contou-me que era de San José e estava indo a Manágua para uma competição internacional. Após um bom papo ele se despediu e seguiu viagem. Voltei ao meu banco duro e resolvi tirar uma soneca.

Acordei antes do sol, com um agente alfandegário oferecendo-me um café. Às 6 horas abriram a fronteira e os carros começaram a chegar. Logo encostou um furgão branco, com placa de New Jersey, dirigido por um gringo barbudo. O gringo desceu do carro, deu a volta no furgão e abriu a porta lateral. De lá saiu um cão para fazer xixi e cocô. Depois voltou e colocou o cão novamente no carro. Pegou o passaporte e foi tirar o visto.  Na volta perguntei-lhe em inglês se ia a San José, e ele disse que sim.

Foi uma carona fácil. Difícil foi conversar com o gringo.  Eu entendia mal o inglês, e ele não falava espanhol; mas por gestos e algumas palavras conseguimos nos entender. Ele me disse ser Húngaro americano, estava indo ao Panamá, porém pretendia chegar Amazônia. Minha cabeça começou a trabalhar a mil por hora, pois era a minha chance de voltar ao Brasil. Já estava cheio de viajar duro; estava cansado de aventuras, de incertezas.

Paramos para um lanche na estrada e para o cão fazer xixi.  O gringo que se chamava Jozsef Sereje, queria aprender a pedir comida. - Señorita, nosotros queremos huevos com tocino. Dos, gracias. Ficou feliz quando viu a garçonete trazer o que havíamos pedido.

Na seqüência da viagem, contei-lhe que era do Brasil, que estava voltando, que já estivera na Amazônia. Ai o gringo começou a fazer perguntas. Como eram os índios, se era possível viver com eles. Eu contei-lhe alguma coisa que havia lido e ele foi se entusiasmando. Quando paramos para almoçar, ele me convidou para seguir com ele na viagem.

Por mim tudo bem, eu disse.

À noitinha chegamos na fronteira com o Panamá. Mais dois dólares; só que agora eu tinha o gringo para bancar.

Havia um problema, no entanto: o cão não poderia entrar, pois um decreto do Ministério da Saúde colocava todos os animais domésticos em quarentena.  A solução foi dormimos ali na alfândega.

Pela manhã deixamos o cão na alfândega e fomos até a cidade mais próxima procurar um veterinário para autorizar a ida do cão até a cidade de Panamá. Conseguimos, porém deveríamos entregar o cão num canil na cidade do Panamá. Rodamos dia todo e nem almoçamos, pois havíamos feito um lanche grande na casa do veterinário, coisa do interior. Atravessamos  a  ponte  sobre o canal do Panamá e  para  mim foi emocionante, pois parecia um sonho quando era realidade. Levamos cão  para  o canil e fomos para um hotel.

Somente  Jozsef  se  registrou,  e eu fui logo tomar banho.  Enquanto ele tomava banho  dei  uma  checada no seu passaporte e vi que ele havia saído  dos  EUA  havia 5 dias e vinha direto para o Panamá.  Tinha ficado retido  2  dias  na Guatemala por causa do terremoto de Honduras.  Junto  ao  passaporte  tinha uns  800 dólares. Saímos  para  jantar e combinamos que no  dia  seguinte  iríamos verificar  saídas  para  a Colômbia por terra ou  por  mar,  mas levando o carro.

Descobrimos  logo  que  a rodovia PAN americana  não  unia  o  Panamá à Colômbia como mostrava em alguns mapas  e que o transporte por mar era caro. Fomos até  Puerto Cristóbal  Cólon  no lado atlântico, tentar um iate.    tinha  para vender, e custavam caro. Tentamos passar o carro em troca, mas não conseguimos. Voltamos à cidade do Panamá e encontramos  um  peruano, por indicação de um cara  do  hotel, que poderia  comprar  o  carro. Mas para encontrar o  cara  foi  tudo preparado, pois o peruano não poderia aparecer em público.  Devia ser  traficante. Jozsef havia me mostrado uma Winchester que  ele tinha  escondida  no  carro  e que  havia  passado  por  todas  as alfândegas.  Porém, para vender o carro, ele precisava  desfazer-se dela.  Disse-lhe  para oferecer ao peruano e o  cara  quis,  pois estava  pagando pelo carro e pela arma 500 dólares.  Não  entendi muito.

seta
PROMOÇÕES Clique na figura e participe! apostilas genealogia informatica petroleo teatro loteria promo7 trofeu
L
I
N
K
S
Administração
Administração bens
Admin Condomínios
Agronegócio
Agropecuária
Agua
Apostilas
Artesanato
Automobilismo
Bebidas
Comércio
Comunicações
Concursos
Culinária
Cultura Cursos
Deutsch
Downloads
Ecologia
Economia
Eletrônica
Energias alternativas
English
Esotérico
Español
Esportes
France
Futebol
Games
Genealogia
Heráldica
Idiomas

Indústria
Informática
Itália
Jornais
Livros
Loteria
Marketing
Meio ambiente
Olimpíadas
Petróleo
Pré sal
Rotary Saúde
Serviços
Sindico
Solidariedade
Teatro
Meio ambiente
Olimpíadas
Petróleo
Idiomas,
Imobiliaria,
 Administracao,
 Agropecuaria,
 Agua,
 Artesanato,
 Automobilismo,
 Clemente,
 Comunicacao,
 Cotrim,
 Eletronica,
 Esoterico,
 Esportes,
 Fabricacao,
 Familia Batista,
 Familia Berenguer,
 Familia Geromel,
 Familia Mendonca,
 Familia Saldanha,
 Genealogia,
 Genealogia,
 Grandes Receitas,
 Negocios,
 Petshop,
 Receitas da vovo,
 Receitas,
 Servicos Residenciais
 Solidariedade,
 Teatro,
 Turismo,
 Vigilancia
Como fazer ovos de páscoa
Receitas de pães e bolos
Receitas de massas e pizzas
Cartilha doméstica
Cartilha do hipertenso
Receitas de Bolinhos de bacalhau
O que fazer com o óleo de frituras?
Manual de Alfabetização

Calendario hebraico
Biblia em grego
Vendedor de Sucesso
Gestão de vendas
Publicidade
Como montar uma Cooperativa
Cuidador de Idosos; 
Sedução
Mçonaria
Primeiros socorros
Dengue
Ofurô
côco
Galinha d'angola
Esportes olímpicos
Dieta do sangue
Pimentas, cultivo e conserva